Skip to content

Cargos que não exigem “cérebro” tendem a desaparecer

30/10/2012

 Publicado no jornal Diário de Guarapuava, 27-28/10/12, ano XIII, ed. 3466, p. A18.

É impossível fugir das novas tecnologias. Todos nós, de alguma maneira, usufruímos e somos beneficiados pelos avanços tecnológicos. As empresas, mais ainda, pois tem a possibilidade de reduzir custos e aprimorar seus processos por meio de máquinas, equipamentos, sistemas de computadores, novas matérias-primas e os demais recursos, frutos do desenvolvimento tecnológico.

Mas as “novas tecnologias” não são resultado só do presente ou apenas do passado próximo, como muitas vezes as pessoas pensam. Na realidade, desde que a humanidade organizou-se em sociedade e passou a utilizar instrumentos, ferramentas, técnicas e conhecimentos organizados para fazer diversas atividades, as tecnologias já estavam presentes, e novas tecnologias, ou o aprimoramento das existentes, foram surgindo ao longo do tempo.

O fato é que nos dias atuais, o desenvolvimento de novas tecnologias acontece cada vez mais rápido, determinando, consequentemente, a obsolescência de outras. Isso acontece em todas as áreas da sociedade e serve de alerta para todos aqueles que se encontram ou pretendem entrar no mercado de trabalho. Muitas atividades ou trabalhos antes feitos por pessoas tendem a ser substituídos por máquinas ou sistemas de computadores, ou outras tecnologias. Tais atividades, na quase totalidade dos casos, são caracterizadas pela forma simples e repetitiva de execução de tarefas, ou seja, são atividades que podem ser analisadas, separadas em partes, e programadas num computador ou outra máquina. E a máquina fará a atividade tão bem ou até melhor que o homem.

É por isso que presenciamos cada vez mais, por exemplo, atividades bancárias sendo totalmente automatizadas. A existência dos caixas eletrônicos mostra essa realidade. Estas máquinas foram desenvolvidas porque parte das tarefas executadas por funcionários (caixas) do banco, é simples e repetitiva. Assim, foi possível fazer com que uma máquina substituísse o trabalho dessas pessoas no banco. O sistema de acesso ao banco via internet também ilustra essa tendência. E já há projetos de agências bancárias totalmente automatizadas, que deverão ser implementadas num futuro próximo, ou seja, sem a presença de funcionários do banco. Somente máquinas irão interagir com os clientes.

Mas não é só o setor bancário que passa por tais transformações. Todas as áreas estão tornando-se mais automatizadas, como a indústria, o comércio, a agricultura, o setor de serviços, e diversas atividades de governos públicos. E essa é a tendência, em quaisquer organizações, com as atividades que não exigem raciocínios, pensamentos, decisões e comportamentos mais elaborados, mais difíceis, enfim, mais complexos e que somente o ser humano pode fazer de forma satisfatória.

Portanto, os cargos que são caracterizados pela repetição de atividades, pela simplicidade de execução, pela ausência de raciocínio, ou pelo simples uso da força, tendem a ser substituídos por novas tecnologias, por máquinas, por robôs, por sistemas de computadores. Não há como evitar essa substituição.

Nesse contexto, não podemos deixar de citar aqueles que criticam o desenvolvimento de novas tecnologias pelo fato de que reduziriam as vagas de trabalho. De fato, uma máquina pode substituir inúmeras pessoas na empresa. Mas o surgimento de novas tecnologias é inevitável, e vai continuar acontecendo. Os trabalhadores precisam questionar se o trabalho que fazem pode ser feito por uma máquina e qualificar-se para atividades que usam raciocínios mais complexos.

E se não há como fugir de novas tecnologias, tenhamos uma postura positiva para nos adaptarmos a elas e também para usufruirmos de seus benefícios. ♦

—————–

– Notícia relacionada: Cientistas americanos criam ‘robô mula sem cabeça’

Clique na imagem abaixo para ver o vídeo sobre o “robô mula”:

Vídeo da mula-robô

– Clique na imagem abaixo para ver um vídeo de colheita mecanizada de floresta:

Vídeo de colheita mecanizada floresta

—————–

(Observação: na versão do texto publicada no jornal, a primeira frase: “É impossível fugir das novas tecnologias.” foi publicada, por erro do autor do texto, como “É impossível tentar fugir das novas tecnologias.” Neste blog, corrigimos, pois é impossível fugir, mas não é impossível “tentar” fugir.)
Anúncios
No comments yet

Digite seu comentario

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s