Skip to content

Você pode fazer algo pela sociedade

15/12/2012

 Publicado no jornal Diário de Guarapuava, 15-16/12/12, ano XIII, ed. 3499, p. A27.

Somos bons para criticar quase tudo no mundo. E a crítica que estamos nos referindo é a crítica construtiva, ou seja, aquela que tem em sua essência a finalidade de melhorar algo, de criar um mundo melhor. Inclusive, isso não tem nada de errado. Afinal, quem não analisa criticamente a realidade pode estar com sérios problemas em relação ao uso de sua inteligência. Ou a sua capacidade de analisar criticamente e expressar seus pensamentos pode ter sido, de alguma maneira, reprimida, silenciada.

O fato é que vivemos em sociedade. Aliás, uma sociedade complexa e imperfeita, uma sociedade em constante processo de construção e desconstrução, em permanente processo de transformação. Culturas são alteradas com o tempo, tradições perdem a força, valores são substituídos, costumes são deixados de lado, preconceitos são quebrados, e são elaboradas novas formas de ver, perceber e interpretar o mundo e as pessoas. Claro que a esperança é sempre que o mundo e as pessoas tornem-se melhores. Pessoas torcem por isso, pessoas rezam por isso. E o que mais fazemos?

uniao_sociedadeQual a nossa contribuição, enquanto cidadãos, para tornar o mundo e as pessoas melhores? Não estou falando das atribuições e comportamentos naturais ou obrigatórios de nossas profissões, pelas quais somos remunerados, como ensinar, no caso de professores; promover o acesso a bens, mercadorias, serviços e gerar empregos, no caso de empresários; salvar vidas e cuidar de pessoas, no caso de médicos e profissionais da saúde; proporcionar segurança, no caso de policiais; construir as cidades, no caso de engenheiros, arquitetos, pedreiros, carpinteiros, serventes e demais profissionais da área; fazer o lanche das crianças, no caso de cozinheiras das escolas; produzir alimentos, no caso de agricultores. Enfim, a questão é: o que fazemos além de nosso trabalho e de nossa “vida normal”?

É certo que o trabalho e outras atividades tomam um grande tempo de nossas vidas. Mas é importante refletirmos, por meio de alguns questionamentos, sobre como anda a nossa solidariedade. Não teríamos um tempo disponível em nossas rotinas para fazer alguma ação social? Não poderíamos fazer uma atividade voluntária em prol da sociedade? Não poderíamos participar de algum projeto social? Ou seja, será que não podemos agir, ao invés de apenas identificar e criticar os problemas da sociedade?

Alguém pode dizer que já pagamos impostos para que o governo cuide dos problemas da sociedade e promova o bem-estar geral da população. Sim, todos pagamos, até os mais pobres e miseráveis pagam impostos. E o governo deve fazer a sua parte. Por isso, devemos fiscalizá-lo, devemos exercer o controle social sobre os governos. Mas isto não nos isenta da possibilidade de darmos a nossa contribuição à sociedade. Uma contribuição voluntária, não forçada. Uma contribuição com alegria e prazer. Uma contribuição pelo simples fato de que vivemos em sociedade, em comunidade, e não estamos sozinhos. E talvez o pouco que possamos fazer pelo outro, pelos vizinhos, por algum ou alguns grupos sociais, pode representar muito para eles. Todos nós temos conhecimentos, habilidades, experiências, ou mesmo a nossa simples presença, por exemplo, junto a certas pessoas, pode ser uma grande contribuição.

uniao_projetosocialTalvez este seja o momento de pensar e planejar ações sociais, ou elaborar um projeto social para execução futura. Pode-se juntar várias pessoas que possuam objetivos e interesses comuns para planejar um projeto social. De forma geral, um projeto social escrito pode conter: o título; o público-alvo; os objetivos do projeto social; a justificativa; quem serão os executores; o período de realização e o cronograma detalhado das atividades a serem realizadas; o local de realização; o orçamento com as despesas detalhadas de recursos humanos e materiais; e outros itens que se julgar necessários. Fazer um projeto por escrito gera a reflexão minuciosa sobre todas as etapas do projeto social (início, meio, fim), identificando os desafios a serem superados. O projeto é importante também para a busca de patrocínio junto aos empresários, se necessário.

Obviamente que aspectos éticos e legais devem ser respeitados, dependendo do tipo de projeto social e de seu público-alvo. Por fim, a intenção aqui é ilustrar que é possível as pessoas se organizarem e realizarem ações e projetos sociais de caráter voluntário. Basta se organizar, planejar e agir. Pratiquemos a solidariedade! A comunidade agradece! ♦

Anúncios
No comments yet

Digite seu comentario

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s